23 de out de 2014

Deixe o Buda respirar através de você


O mestre Zen diz:
Um momento de compreensão genuína dissolve eras de ignorância e ilusão.

Procure entender isso... Nossas mentes estão tão cheias de ignorância e ilusão que nos esquecemos de nossos corações doces, cheios de sabedoria e compaixão.
As crianças – em sua maioria – parecem nascer com esta atitude naturalmente amorosa. Quando nós somos pequenos, nós desejamos o melhor para todos. Mas, em seguida, o que acontece? À medida que o tempo passa, a vida se torna mais complexa e a simplicidade infantil vai ficando cada vez mais longe de nós. Em um mundo que parece colocar mais ênfase na competição e na exploração do que na compaixão, colaboração e benefício mútuo, acho que esse processo aconteceu a todos nós.
Algum de nós pode dizer honestamente que se importa com a felicidade dos outros tanto quanto com seu próprio prazer e bem estar? Me arrisco a dizer que vamos mais além e experimentamos negatividade com relação aos outros. Infelizmente, em muitos ambientes competitivamente hostis, parece que para alguém ser bem sucedido, outra pessoa precisa falhar. E pensamentos e intenções nada gentis começam a anuviar (encobrir) as nossas atitudes, originalmente positivas.
Quem dentre de nós nunca sentiu o impulso de bater palmas, ou pelo menos sorrir, quando outra pessoa tem má sorte ou tropeça e cai?
Muitas vezes parece que o “outro” é quem está entre você e aquilo que quer. Você nunca tentou passar na frente de alguém – na escola, no trânsito, no trabalho, na fila? Quem não tentou? A maioria de nós foi criado para ser competitivo, lutar para vencer, ser o mais importante, ser o primeiro. Para alguns, esse espírito competitivo é muito admirado: consiga o melhor negócio, a melhor vaga no estacionamento, o melhor resultado. Trate os outros como inimigos naturais – empurre, pise, faça o que precisa ser feito! Primeiro eu! Por mais que condenemos este comportamento, todos nós temos este impulso de vez em quando.
A segunda etapa desse caminho ensinado por Buda, a Intenção Correta, nos diz para virar pelo avesso estas atitudes de vencer e conseguir o que queremos a qualquer preço. Ela sugere ao buscador espiritual que ser menos egoísta é do seu total interesse. Quando nossas energias estão ocupadas com pensamentos de “meu” e “eu”, não estamos honrando nem nossa dignidade humana nem nossa natureza desperta (búdica) – que é inata.

O Darma (ensinamento) insiste com os buscadores para que desenvolvam uma visão não egoísta do mundo, porque a realidade é que estamos todos interligados; nossos destinos se entrelaçam. É preciso uma comunidade inteira para criar um ser desperto como Buda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário