17 de nov de 2014

Esqueça!


Relaxe seus olhos. Observe a sua respiração... E, então, solte tudo que você está segurando em pensamentos e sentimentos...
Solte tudo ou você será arrastado...
“Soltar” tornou-se uma palavra chave. Mas o que significa, exatamente? Como nos libertarmos das compulsões e fixações? O segredo é o seguinte: soltar significa permitir que as coisas venham e vão como quiserem.
Em vez de pensar na liberação como algo que vai ocorrer algum dia no futuro, ela pode ser encontrada aqui e agora, através da prática de soltar as pequenas coisas, uma por uma. Soltar significa aprender a ser mais leve e luminoso, abrindo nosso punho fechado e relaxando a tendência de querer controlar tudo o que nos cerca. Se não conseguirmos fazer isso, corremos o risco de sermos “arrastados” sem perceber. Acabamos descobrindo que estamos onde não queríamos estar.
Infelizmente, a maioria das pessoas é membro pagante da igreja mundial de controladores compulsivos. E a mensalidade pode ser exorbitante.
O primeiro passo para conseguir se desapegar é ter consciência de si mesmo. Como podemos iniciar a prática de soltar as coisas, se não conseguimos ver com clareza o que fazemos? Temos de ter consciência de nossas tendências a fechar a mão e reter com força. Precisamos ter consciência de todas as formas pelas quais nos agarramos aos velhos comportamentos e posturas. Temos que investigar nosso investimento emocional em opiniões e atitudes desgastadas, e entender que encaramos tudo de uma forma limitada ou dogmática (opinião estabelecida). É claro que é muito mais fácil falar do que fazer.
Será que realmente vemos como estamos agarrados a objetos, pessoas, sentimentos, ideias e convicções que não têm nenhum valor real em nossas vidas?
A prática de soltar as coisas exige muito de nós. Externamente, pensem em todas as coisas das quais não queremos abrir mão – posses, dinheiro, juventude, pessoas, realizações, carreira, status. Internamente, adoramos nos prender a autoconceitos, imagens, ideias, opiniões, convicções e à forma original de fazer as coisas, além de nosso eterno apego a sentimentos, estados de ânimo, arrependimentos, rancores, lembranças e as histórias que contamos a nós mesmos.
No nível mais profundo de todos, não queremos abandonar a visão egoísta, autocentrada do eu – a pessoa que imaginamos ser. Quando trilhamos o caminho espiritual da iluminação ou o “Despertar”, o apego ao ego é exatamente o que tentamos descartar. Queremos soltar nossas tendências separatistas e agendas egocêntricas. Desapegar-se nesse nível exige tempo e prática, além de autoconhecimento e consciência. Abrir mão do ego é o verdadeiro teste de evolução espiritual. Não existe nenhum sacrifício ou renúncia externa que possam se comparar à ausência do ego. O desapego é a disciplina espiritual suprema, não se prender a nada é a maior forma de generosidade, e o maior incondicional é a grande virtude espiritual.
Quando começamos a acumular coisas nós nos desequilibramos com facilidade. Em vez de ter apenas o lastro suficiente para manter o navio pessoal ereto, acabamos com tanta carga que o navio mal consegue manobrar nos oceanos da vida, chegando a correr o risco de afundar.
É preciso entender que o sucesso é acompanhado de ambição, que evidentemente é filha direta do ego. Afinal, o que é a ambição, senão a tentativa de alimentar e engrandecer o ego – ou seja, dar um porto seguro ao pequeno eu que está sempre espreitando (observando para surpreender) nas sombras¿

O Mestre de Paz Shantideva disse: “A felicidade neste mundo vem de pensar menos em nós mesmos e mais no bem estar dos outros. A infelicidade vem da excessiva preocupação consigo mesmo”.

por Lama Surya das

Nenhum comentário:

Postar um comentário