29 de jan de 2012

Ritos Tibetanos

Segundo CAETANO, E.M. (2008), há uma profundidade e uma amplitude nos Ritos Tibetanos ainda não totalmente compreendidas, que somente a experiência pessoal pode confirmar. É um sistema diferente, baseado numa filosofia de vida, na qual a compreensão de que há uma energia vital básica no corpo humano - responsável pela manutenção da saúde - resulta na transformação e no despertar de uma nova consciência.
Quando passamos por situações de estresse, seja por doenças, pressões emocionais ou de qualquer outra ordem, a energia vital que desprendemos nesse momento pode ser muito maior do que aquela pré determinada para a etapa em que nos encontramos.
A prática dos ritos ativa uma região secreta do cérebro, responsável pelo prazer e pela longevidade e proporciona um estado elevado de consciência, de harmonia e união.
O objetivo da prática e deste trabalho, portanto, é fornecer um instrumento poderoso para que se atinja um equilíbrio global: harmonizar e integrar corpo, mente e sentidos, de forma a auto sustentarmos nossa vitalidade.

Detalhe importante:
Sem culpa, devemos aceitar naturalmente as limitações e reconhecer nossas qualidades. Congratular-nos a cada conquista e presentear-nos. Dessa forma, em nosso inconsciente haverá, sempre, disposição e colaboração.

Como Praticar:
Cada rito deve ser praticado pelo menos três vezes, diariamente. O ideal é manter a disciplina e reservar trinta ou quarenta minutos por dia, sempre no mesmo horário. Como os ritos têm a função tanto de revitalização quanto de relaxamento, podem ser praticados pela manhã ou à noite, e vão atuar, conforme o movimento, fornecendo a disposição necessária ao acordarmos ou aliviando o cansaço antes de dormirmos.
Vinte e uma vezes é o máximo de repetições de cada rito e esse número deve ser atingido gradualmente, em múltiplos de sete.
O importante é a prática regular dos ritos, mesmo que, a princípio, não seja possível crer em todos os seus benefícios. Com o tempo, o corpo dará o testemunho dessa verdade milenar.

De forma didática dividiremos os 21 Ritos tibetanos em três etapas:
Segunda Etapa: Ampliar Horizontes
Terceira Etapa: Consolidar a Bem Aventurança

Fonte: 
Livro: Os 21 Ritos Tibetanos
Autora: Eneida Magalhães Caetano
Editora:  Leitura

Boa prática e boa leitura!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário