11 de fev de 2015

Meio de Vida Correto


Hoje estudaremos a quinta etapa no caminho espiritual, como deixado por Buda, que é o “Meio de Vida Correto”.

O Meio de Vida Correto é um conceito tanto espiritual quanto prático e, hoje em dia, ao lermos antigas escrituras percebemos quanto bom senso e quantos conselhos para o dia a dia o Buda deu pessoalmente, durante sua longa vida. Quando os monges lhe perguntaram como a Sangha – Sangha é a comunidade de praticantes - poderia viver melhor, o que Buda disse foi: “Não esconda os legumes do seu prato debaixo do arroz”, lembrando a todo o praticante que deseja mais do que a sua cota de legumes, que ele expressa o egoísmo em diversos outros pequenos atos também. Esta é a espiritualidade prática e real.
O Meio de Vida Correto nos ajuda a viver, e não apenas a ganhar dinheiro. Ele nos oferece renovação espiritual, aqui e agora, sem ir a nenhum outro lugar. Buda disse: “Manter o coração cheio de amor, mesmo que apenas pelo tempo de um estalar dos dedos, nos torna seres verdadeiramente espirituais”.
E para compreender melhor esse ensinamento, a percepção meditativa pode ajudar a ver que pequenas ações atenciosas, talvez façam muita diferença na vida de uma pessoa.
Mas não vamos ser excessivamente ingênuos. O local de trabalho em geral é confuso, agitado, com poucos valores humanos, e rápido demais em recompensar o egocentrismo e a ganância. Tentar praticar a espiritualidade autêntica no local de trabalho, certamente irá criar alguns desafios interessantes.
A perfeição é um ideal, difícil de se encontrar aqui na terra. Cada situação de trabalho é um pouco imperfeita, um pouco cheia de hipocrisias, acordos e egoísmo – às vezes até nossos. Na maioria dos cenários do trabalho, qualquer coisa que não seja a lógica do “eu primeiro” não faz sentido e soa esquisito. Então trabalhar a nós mesmos enquanto trabalhamos em um emprego pode ser uma experiência extremamente transformadora.
Por um instante pense nos “venenos” que encobrem a visão da realidade: (São cinco) Ignorância, Orgulho, Inveja, Inimizade e Desejo. Em algum nível, qualquer situação de trabalho vai provocar pelo menos alguns destes venenos. Se a pessoa na outra mesa for promovida em seu lugar, você poderia sentir inveja e desejo por uma promoção própria. Se receber um grande aumento, o que o impede de se sentir orgulhoso de si mesmo?
Mas não vá entender errado a mensagem do Darma, achando que devemos negar nossos sentimentos ou nos distanciar da experiência humana, com toda a sua variedade e profundidade. As emoções fortes não são a questão principal, e sim o apego e o desejo ardente. Quando nos agarramos com avidez a essas emoções ardentes, nos perdemos na identificação excessiva com elas, e essas emoções acabam assumindo o comando da mente, apossando-se de nossos pensamentos e encobrindo nossa visão – prejudicando, assim, a percepção do momento presente.
Dhamma nos ensina que é mais importante compreender por que dizemos ou fazemos algo do que as próprias palavras e atos em si. Não importa o que esteja acontecendo em sua vida, ou o que você esteja fazendo, sempre é bom dar uma olhada no espelho da mente, a intervalos regulares, para examinar o que está acontecendo ali, e quais são seus motivos e intenções. A reflexão a nosso próprio respeito nos ajuda a tornar cada parte de nosso trabalho um pedaço do caminho espiritual, ou seja, mais combustível para a jornada.

A mensagem que fica desse ensinamento é que não devemos nos agarrar aos nossos sentimentos; não devemos permitir que nossas emoções esmaguem as coisas que estão em nossas mãos. Devemos, sim, é desfrutar as experiências enquanto ocorrem, e depois deixa-las partir. Isso faz lembrar um poema favorito de William Blake:

Aquele que detém uma alegria só para si
Destrói o voo leve da vida;
Mas aquele que beija a alegria enquanto ela está passando,

Vive no amanhecer da eternidade.


por Lama Surya Das

Nenhum comentário:

Postar um comentário