23 de out de 2014

O grande espelho do mundo e da vida


Tente entender... Por mais estranho que pareça, quando olhamos para o mundo, estamos vendo, no fundo, o nosso próprio reflexo. Mas, geralmente, não é assim que enxergamos. É muito comum, que mirando-nos no “espelho do mundo da vida”, vejamos ali, talvez, uma “mancha escura”, situada, por exemplo, bem na ponta do nosso nariz. Aquilo nos incomoda, perturba, pois pode representar uma ameaça ao nosso “eu”. Talvez seja um “câncer”! Mas, então, nosso comportamento é muito estranho. No intuito de remover a mancha o quanto antes, nossa conduta tem sido semelhante a de pegar água e sabão e tentar, freneticamente, limpar o espelho, esfregando-o sem parar... Agimos como se as manchas estivessem no espelho, no mundo e na vida, não em nosso nariz, ou em nosso interior. Isto é a presença da Ignorância.
Sendo totalmente ineficaz, essa atitude nos faz perder tempo e energia. É claro que a mancha continua lá e, às vezes, cresce cada dia mais. Toda nossa vida pode se voltar apenas para essa mancha e tentativa desesperada de limpá-la a qualquer custo.
Talvez uma pequena história ajude a ilustrar melhor este ponto. Certa vez, uma senhora, parecendo muito transtornada, foi procurar um médico e, então, disse: “Doutor, eu não aguento mais!... Eu não quero mais sofrer! Preciso acabar com tanto sofrimento! Por favor, me ajude”! E começaram a jorrar lágrimas por todo lado.
E o médico respondeu: Lamento... Sinto muito mesmo, mas não posso ajuda-la. O que a senhora pede é o que todo mundo deseja. Todo mundo quer parar de sofrer. Todos estamos cansados. As pessoas sofrem sem parar e querem que isto pare. Você quer e eu também! Porém, por mais que eu deseje isso, não posso ajudar ninguém. Entenda que para sair do sofrimento, cada um tem que fazer a sua parte. Certas vezes, o nosso sofrimento é tudo o que temos, noutras, o sofrimento é pequeno demais, não nos faz querer abrir os olhos a fim de larga-lo. Então, mais sofrimento é necessário, compreende¿
E o médico, então, prosseguiu: mas o que está havendo¿ Bem seguiram-se horas e horas de muita dor, desentendimentos, brigas, agressões mútuas, separações, rancores, desilusões, sentimentos desfeitos, corações partidos... Tudo o que, bem no fundo e verdadeiramente, nos faz adoecer.
Mas o ponto a salientar nesse momento é que essa era mais uma pessoa vivendo a sua existência cíclica. O sofrimento ali era muito bem nutrido e alimentado todos os dias. Perceba... Aquela mulher esgotava toda a sua energia esfregando e tentando limpar manchas no espelho do mundo e da vida.
Tratava-se de uma mulher cujo marido mantinha uma amante bem mais jovem. Então, sua reação e providência iniciais foram a de agir como vítima, aplicando chantagem emocional contra marido e filhos também. Talvez, assim, vendo o sofrimento produzido tanto a ela quanto aos filhos, o marido resolvesse encerrar as suas aventuras.
Mas raramente alguém se transformará, ou deixará de fazer o que faz por sofrer algum tipo de constrangimento ou chantagem emocional. Foi como usar água e sabão para tentar remover as manchas, o que, naturalmente, não deu certo. Então, depois de comprovar inúmeras vezes a ineficácia dessa atitude, ela resolveu mudar de estratégia. Começou a cuidar mais de si mesma, especialmente do seu visual – salão de beleza, ginástica, roupas novas e sensuais, joias, cirurgia plástica... O fato é que ela começou a fazer de tudo para elevar a autoestima perdida e agradar o marido rico. Seus livros de auto ajuda e gurus espirituais afirmavam que ela poderia conquistar o mundo num estalar dos dedos se recuperasse a autoestima.
Tudo parecia perfeito, a vida parecia azul agora e no natal, ela resolveu dar um carro zero para o marido. Não é fantástico o que se pode promover através da autoestima e dos conselhos certos? Ela pensou que um presente como esse seria a prova definitiva, selando o grande sucesso alcançado. Tudo aparentava estar no seu devido lugar agora. Ela parecia dona da situação. Ninguém podia apagar o sorriso estampado no rosto do marido dela. Ele andava nas nuvens, educado, gentil, como nunca. Não havia mais brigas nem discussões. Tudo parecia maravilhoso e isso durou cerca de um ano, até ela descobrir que, enquanto suava duro para pagar por todas aquelas mudanças, o presente maravilhoso e a pilha de dívidas, o seu feliz marido saía com a namorada por aí, passeando de carro novo. Tudo parecia perfeito, mas só parecia.
Portanto, muito cuidado com a autoestima. Você só perde algo que já possui. O nosso “eu”, fruto da Ignorância, é dotado de uma colossal autoestima. É muito raro perde-la, pois teria de perder o “eu” também, o que seria o próprio despertar.
Então, perceba... O que acontece com frequência, não é uma diminuição ou perda de autoestima. Na verdade, nós passamos por situações na vida que interpretamos como uma agressão ao nosso “eu, meu, minha” e sofremos com isso. O “eu” pode ter expectativas muito elevadas sobre si mesmo, mas os acontecimentos ou a realidade costumam frustrar duramente as pretensões ou delírios de grandeza. Então, paradoxalmente, parecemos sofrer por baixa, mas, na verdade, nosso sofrimento se origina justamente em nossa excessiva autoestima. Ter autoestima não é bom nem ruim, depende se você sabe ou não o que está acontecendo profundamente.
Nós encontramos esse tipo de situação o tempo todo. Para muitas pessoas, as coisas parecem ir muito, muito bem, mas é apenas aparência, uma falsa impressão, algo muito superficial.
Se você tiver um casebre de madeira bem podre e sujo, mas o ajeita um pouco aqui e ali, limpando a sujeira acumulada, aplicando produtos químicos ante cupins e uma tinta de boa qualidade, a aparência dele poderá mudar bastante mesmo. Visto externamente, pode ficar lindo! Contudo, na essência, bem lá no fundo, nada mudou. Por baixo da tinta, a madeira continua apodrecida. E se não houver uma reforma muito profunda, todos os esforços terão sido em vão.
Não é possível fabricar felicidade plena de modo aparente ou artificial. Infelizmente, essa é uma visão equivocada muito comum entre nós.
Aquela mulher apenas tentava comprar marido e felicidade, manipulando tudo, inclusive seus filhos. A forma contaminada como tentava resolver seus problemas era como plantar novas sementes de sofrimento que, em seguida, germinavam e amadureciam seus frutos internos e externos. É muito comum, quando não estamos satisfeitos com o comportamento das pessoas à nossa volta, tentarmos manipulá-las ou chantageá-las de algum modo. E esse tipo de atitude não é capaz de mudar nada além da mera aparência da situação.
A nossa vida humana é preciosa (no sentido da prática e do crescimento interior), para ser desperdiçada apenas no envolvimento e engano das aparências.
O mundo que experimentamos agora é um reflexo de nós mesmos, do que ocorre em nossa mente, em nosso espelho interior. Não está no mundo a causa e a fonte das manchas negras que as pessoas estão encontrando e vendo.
Infelizmente, raras são as pessoas que trabalham na direção de tentar compreender melhor a sua própria Ignorância, a verdadeira causa das manchas negras ou dos “venenos” que prejudicam a nossa saúde pessoal e deste mundo.
A atitude mais revolucionária a ser empreendida é, portanto, praticar Meditação e Mente Atenta.
Ao invés de ficarmos lustrando o espelho já límpido por natureza, devemos fazer a parte que nos cabe. Meditar, relaxar, respirar profundamente e olhar para o nosso interior e para o momento presente com profunda Mente Atenta. Então, com simplicidade e gentileza, a mão sobe até a altura do nariz, e, num movimento suave, remove a mancha de uma só vez.

Tudo é perfeito bem assim como é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário