23 de out de 2014

Dimensão grosseira e dimensão sutil


Observe a sua respiração... Respire mantendo a mente calma e tranquila... E nessa quietude, procure deixar lentamente a superfície – o grosseiro, o material - e alcance uma dimensão mais sutil, imaterial...
Só poderemos vislumbrar a dimensão sutil e essencial da mente através de um olhar transcendente.

Perceba, somos verdadeiros cegos puxados pela mão de alguém que diz enxergar o caminho. Esse tipo de situação é muito comum, mas, infelizmente, resulta apenas numa longa fila de cegos, todos iludidos e na escuridão, sem ver coisa alguma, desde tempos sem fim. Ninguém sabe bem para onde vai. É mera ilusão, acompanhada de grande sofrimento, perda de tempo e energia.
Você só poderá ver a dimensão sutil, a verdade ou a sua Essência por si mesmo, examinando com seu intelecto e consciência.
Mas a grande dificuldade em se ver, ou dar-se conta do papel vital da mente consiste no fato da nossa atenção e interesse estarem sempre distraídos, focados na dimensão das aparências e, portanto, distantes em relação à dimensão sutil.
Nossa visão tem sido predominantemente grosseira – material, horizontal. Mas isto não é o bastante. Para entrarmos em contato com a verdade, temos de considerar também, simultaneamente, a dimensão sutil – imaterial, vertical.
Se você tocou algum instrumento de cordas, sabe que um bom músico precisa encontrar um “ponto de afinação perfeita”. Sem uma afinação bem feita, mesmo o melhor dos instrumentos não consegue vibrar e exprimir a sua beleza e verdade para nós.
A dimensão material, a forma, a madeira, os materiais dos quais é feito, bem como a dimensão imaterial, a sonoridade, a música, só se revelam plenamente, quando ambas as dimensões entram em profunda ressonância, em profundo equilíbrio e harmonia. E isso só acontece exatamente no ponto de afinação perfeita. Sem afinação, um instrumento não pode tocar, nem conhecer a sua própria música. Então, infelizmente, já que não toca, nem podemos dizer que seja um instrumento, compreende? Sem tocar, um instrumento é algo assim meio entristecido, sem vida real. Está ali, mas não há graça, sentido ou beleza.
Nós seres humanos, precisamos ver e sentir que também temos algo assim. Precisamos aprender a levar em conta o equilíbrio e harmonia entre as nossas duas dimensões, grosseira e sutil, corpo e mente. Se desenvolvermos a nossa Plena Atenção ou Mente Atenta, encontraremos o instante de equilíbrio e harmonia que reúne, num único e mesmo ponto, tanto a dimensão material quanto a dimensão sutil de todas as coisas, incluindo a nós mesmos!
Encontrando o nosso ponto de afinação, a verdade, natural e espontaneamente, se revelará para nós, de momento a momento, em todo o seu esplendor e beleza. Então, nós tocaremos a nossa verdadeira música, que preencherá de alegria todos os recantos da nossa vida.
Para alcançarmos uma boa afinação, temos de procurar um local adequado, silencioso, onde se possa ouvir o som das coisas nitidamente, sem a interferência de muito ruído ou barulho exterior. Em seguida, pacientemente, temos de ouvir e ouvir e ouvir novamente, sentir... prestar a mais Plena Atenção possível ao som que as cordas, uma por uma, emitem.
Descobrimos, então, que para conseguirmos um ponto de afinação perfeita, precisamos estabelecer um profundo silêncio dentro de nós mesmos também. Com ruídos exterior, percebemos que é bem difícil afinar as cordas. Mas, com muita distração interior, muitos pensamentos e preocupações, é ainda mais difícil encontrar uma afinação assim.
Quando alcançamos uma profunda integração assim, nosso pensamento e atividade mental param. Nesse momento, se algum pensamento cruzar a nossa mente, perdemos tanto a Mente Atenta quanto a experiência real do som. E o caminho para a afinação perfeita desaparece. A integração foi perturbada, desfeita. Temos duas coisas separadas novamente (corpo e mente) e que, infelizmente, se desconhecem.
Quando praticamos com afinco e alcançamos esse ponto de profundo silêncio, integração, equilíbrio e harmonia interior-exterior, simultaneamente contemplamos ambas as dimensões – e, então, passamos a ser e expressar essa mesma verdade em nossas vidas.
Busque, então, uma profunda quietude. Você consegue esse ponto de afinação perfeita com Plena Atenção em sua respiração – momento a momento -, tocando o silêncio; equilibrando e harmonizando o ambiente interno com o ambiente externo.
E contemplando as duas dimensões – corpo e mente – vamos despertar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário