23 de out de 2014

A reconexão universal através da nossa essência feliz


Observe com Plena Atenção a sua respiração...
Quando nos tornamos efetivamente presentes - mente, corpo e coração em comunhão profunda entre si e com o momento presente -, um verdadeiro milagre acontece. Despertos pela suprema luz da consciência, conseguimos vislumbrar, perceber e tocar as infinitas maravilhas da vida, sempre disponíveis àqueles que chegam cem por cento ao aqui e agora.
O mestre Zen disse certa vez: “estamos ocupados demais com futuro, passado e projetos sociais. Estamos sempre correndo atrás de algo além e longe do aqui e agora, sem enxergarmos tudo o que já somos e possuímos”.
O único futuro que temos, portanto, habita o momento presente. O único passado que vale a pena está selado na alegria disponível aqui e agora. A única viagem que nossa mente deve empreender é a viagem de volta ao fundo do nosso coração e ao momento presente. Jamais encontraremos felicidade real além desta realização e deste domínio. Chegar aqui, cem por cento, é a única meta.
E, nesse sentido, buscando tantas coisas fora de nós mesmos, temos agido como a monja que, sob a luz de um poste de rua, procurava por seu grampo de cabelo. Ao verem a religiosa ali, noite fria e escura, de joelhos, várias pessoas tentaram ajuda-la, vasculhando o chão sem nada encontrar, até que alguém perguntou:
- Monja, a senhora tem certeza de que perdeu seu grampo aqui?
E a monja respondeu: - Não, claro que não. Na verdade eu o perdi na montanha, enquanto ia buscar água do poço. – Ao que, surpresa, a pessoa questionou:
- Mas, então, por que a senhora procura ele aqui, neste lugar? - e, a resposta da monja, veio na ponta da língua:
- Ora, aqui há mais luz! Posso procurar muito melhor do que lá!

Perceba... Desconectados de nossa essência feliz, sem acessar a condição natural da nossa mente, nossas atitudes parecem bastante insanas, pois sacrificamos a nossa felicidade procurando por ela onde ela não está e onde não pode ser encontrada.
Se olhar em profundidade poderá perceber que nossa marcha é ansiosa, angustiante e triste. As pessoas, em geral, não andam em paz e serenidade, pois têm compromissos demais, compromissos inadiáveis, muitos planos a realizar e, portanto, não têm tempo para andarem em paz. Elas precisam correr, correr e correr sem parar. Se não correrem sem parar, são invadidas por um grave sentimento de culpa, como se estivessem perdendo um tempo precioso e devessem estar fazendo alguma coisa a mais. As pessoas sofrem com o seu fazer compulsivo e, quando param, sofrem mais ainda. Elas não têm tempo para o compromisso real com suas vidas. A felicidade real, porém, não está no futuro, nem no passado, nem na realização de todos os projetos imaginários. A felicidade reside e mora na união mente-corpo-coração, na inteireza do nosso ser, no aqui e agora.
Quando estamos íntegros, o nosso andar é belo, o nosso respirar é belo, o nosso sentar é belo, o nosso semblante é belo, sem haver razão especial para que seja assim.

Enfim, a nossa felicidade depende da nossa presença, e tal presença depende de quanto somos capazes de estabelecer e manter a nossa Mente Atenta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário